Hora da Notícia
Notícias das cidades de Porto Belo e Bombinhas

LIVRO CONTA HISTÓRIA DE COLÔNIA PORTUGUESA CRIADA POR DOM JOÃO VI NO LITORAL DE SANTA CATARINA

0 37

Uma pequena parte da história de Santa Catarina começa a ser redescoberta com a publicação do livro “1818 — A história da colônia criada por Dom João VI que foi alvo de disputa entre brasileiros e portugueses no século XIX”. De autoria do jornalista Rogério Pinheiro, a obra será lançada no dia 26 de novembro, às 19h30, na Livraria Catarinense do Itajaí Shopping.

O livro traz os bastidores da criação da colônia pesqueira em 1818 e a guerra que se travou entre brasileiros e portugueses pelo seu controle. Na obra, o autor aborda também a atuação de um grupo político catarinense, que montou um sofisticado esquema de corrupção para desviar os recursos destinados à compra de terras e barcos de pesca.

A Colônia Nova Ericeira foi criada por ordem de Dom João VI, no dia 25 de março de 1818, na Enseada das Garoupas, hoje a cidade de Porto Belo. Ao todo cerca de 400 pessoas vieram da freguesia da Ericeira (Portugal), distante 40 quilômetros de Lisboa. Fizeram parte da colônia as cidades de Balneário Camboriú, Balneário Piçarras, Barra Velha, Bombinhas, Camboriú, Governador Celso Ramos, Itajaí, Itapema, Navegantes, Penha, Porto Belo e Tijucas.

Curiosidades

O livro traz muitas curiosidades, por exemplo, a participação de José Bonifácio de Andrada e Silva no processo de criação da Nova Ericeira. O patriarca da Independência do Brasil conhecia o litoral catarinense, a Ericeira e chegou a escrever um estudo pesqueiro em 1812.

Outra curiosidade está relacionada com “Os Lusíadas”. Em 1845, um senador catarinense presenteou o imperador Dom Pedro II com o livro, que pertenceu ao próprio Luís de Camões. A obra rara está envolta em uma grande polêmica e quase gerou uma crise diplomática entre o Brasil e Portugal na década de 1970. O senador foi o chefe do grupo político responsável por desviar os recursos da Nova Ericeira.

Pesquisa

Para produzir o livro-reportagem foram analisados mais de 10 mil documentos, entre registros paroquiais, periódicos, artigos e livros. Em Portugal, foram realizadas pesquisas in loco no Arquivo da Torre do Tombo em Lisboa, no Arquivo Público Dom Pedro V em Mafra e da Santa Casa de Misericórdia da Ericeira. No Brasil, as pesquisas foram centradas nos arquivos públicos do Estado de Santa Catarina, Municipal de Florianópolis e Municipal de Itajaí, além do acervo digital da Biblioteca Nacional e da Hemeroteca Catarinense.

O autor

Jornalista formado pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Rogério Pinheiro é paulista da cidade de Guarujá (SP), mas reside há mais de 20 anos em Navegantes (SC). Já trabalhou em jornais e rádios do Litoral Norte catarinense. É autor do livro “A Nova Ericeira” e dos documentários “Ericeira: um mar de história” e “Navegantes”. Trabalha atualmente como produtor cultural, pesquisador e editor independente.

*Mais informações com o jornalista Rogério Pinheiro no número (47) 98823-5334.

Comentários
Aguarde...